1 Pedro 1.22 a 2.1 A Boa conduta do crente revela sua esperança em Cristo!

EXPOSIÇÃO DE 1 PEDRO

Sermão 5

TEMA GERAL: “Em meio às lutas da vida, Cristo é a nossa esperança”

Tema Específico: “A boa conduta do crente revela sua esperança em Cristo”

 

 

1 Pedro 1.22 – 2.1

22 +Uma vez que vocês foram purificados de seus pecados quando obedeceram à verdade, tenham como alvo agora o amor fraternal sem fingimento. Amem uns aos outros sinceramente, de todo o coração.

23 +Pois vocês nasceram de novo, não para uma vida que pode ser destruída, mas para uma vida que durará para sempre, porque vem da eterna e viva palavra de Deus.

24 +Pois, “Os seres humanos são como o capim; sua beleza é como as flores do campo. O capim seca e as flores murcham,

25 +mas a palavra do Senhor permanece para sempre”.3  E essa palavra é a mensagem das boas-novas que lhes foi anunciada.

1 +Portanto, livrem-se de toda maldade, todo engano, toda hipocrisia, toda inveja e todo tipo de difamação.

 

Grande Ideia: O novo nascimento produz amor verdadeiro e pureza de conduta.

 

INTRODUÇÃO:

A primeira carta de Pedro foi escrita para lembrar aos cristãos sofredores pelo mundo que Cristo é a nossa esperança! O sangue dele foi o preço pago para que nós tivéssemos essa esperança de salvação, de vida eterna, de perdão de nossos pecados. Desde o verso 17, Pedro vem nos ensinando nesta carta que “a boa conduta do cristão revela temor a Deus, reconhecimento do sacrifício de Jesus e motivação para a fé e a esperança!”

Há uma expectativa por parte dos apóstolos Pedro, como também Paulo em suas cartas, de que os crentes tenham um modo de viver diferente das pessoas mundanas, sem Cristo. Na verdade, parece que em suas cartas, os apóstolos insistem que a comprovação que Cristo habita em nossas vidas será a mudança de nosso modo de ser e de agir.

Nesta passagem, Pedro nos dá 4 argumentos em favor de uma vida que revele Cristo como nossa esperança:

 

 

 

 

 

  1. O Alvo: o amor fraternal sem fingimento

22 +Uma vez que vocês foram purificados de seus pecados quando obedeceram à verdade, tenham como alvo agora o amor fraternal sem fingimento. Amem uns aos outros sinceramente, de todo o coração.

Nas palavras do apóstolo Pedro a nós, crentes em Cristo, há um alvo a ser perseguido, depois que nos tornamos crentes em Cristo Jesus.

Esse alvo é o amor fraternal sem fingimento. Duas palavras gregas são utilizadas aqui: Philadelphia e anupokritus. Estas duas palavras trazem dois significados importantes: a primeiro nos fala de amor fraterno, amor que deve existir entre irmãos em Cristo, amor de amizade profunda, amor de alguém que é confiável.

Por sermos uma igreja, era de se esperar que todos nós estivéssemos unidos, pensando sempre a mesma coisa em prol do reino, abrindo mão de sonhos e desejos pessoais, para que a boa, agradável e perfeita vontade de Deus fosse experimentada por nós, não com gemidos, não com murmuração, mas com alegria, com satisfação. Mas infelizmente, a grande vergonha da igreja nos dias atuais são aqueles irmãos revoltados com a igreja, com Deus, e, geralmente, pelas mínimas coisas.

Mas apesar das nossas falhas, temos que lembrar do nosso alvo – ser parecido com Jesus (Rm 8.29) e, portanto, lembrar que precisamos amar uns aos outros. E Pedro acrescenta à palavra fhiladelphia que significa amor fraternal, a palavra anupokritus, que significa: não fingido.

Parece que Pedro esta admitindo que algumas pessoas dizem amar, mas não amam. E é triste que Pedro tenha escrito estas coisas para a igreja. Mas isto só demonstra que não somos perfeitos, mas somos pessoas que precisam lutar para melhorar a vida a cada dia. Meus irmãos, Cristo nos deu o seu amor, e sua maior prova foi sua morte na cruz do calvário. Ele morreu para que a gente vivesse. Ele é nossa esperança para que o nosso amor uns pelos outros, jamais seja amor fingido, mas seja sempre verdadeiro, puro.

Amar uns aos outros de todo coração. Este é o alvo do crente que tem em Cristo a sua esperança. Para irmos em direção ao alvo, temos um mandamento:

 

  1. O mandamento: amem uns aos outros sinceramente, de todo coração

22 +Uma vez que vocês foram purificados de seus pecados quando obedeceram à verdade, tenham como alvo agora o amor fraternal sem fingimento. Amem uns aos outros sinceramente, de todo o coração.

Para alcançarmos o alvo de amar de forma não fingida os nossos irmãos em Cristo, Pedro nos dá uma ordem. Amem sinceramente, de todo o coração.

Ele troca a palavra grega usada para amor. Agora ele não fala mais de amor de irmão, ele fala de amor ágape. Ágape é o amor sacrificial. É a palavra amor que é usada para se referir ao amor de Deus por nós comprovado com a morte de Jesus Cristo na cruz.

Ao nos mandar amar uns aos outros sinceramente, de todo o coração, Pedro está dizendo que nosso amor pelos irmãos em Cristo deve ser um amor disposto a dar a vida pelo outro. Um amor que se nega em função do benefício de outrem.

Mas este nível de amor, inclui repreensão, correção, instrução, apoio, encorajamento, mas também castigo que visa restauração. É o amor de um pai pelos seus filhos. Hebreus 12, a partir do verso 3, traz essa compreensão de que o Pai corrige e castiga seus filhos visando seu aperfeiçoamento, sua restauração e seu crescimento espiritual.

Mas porquê devemos amar de todo coração. Pedro segue dando alguns motivos:

 

  1. Os motivos: Os resultados da nossa conversão a Cristo.

22 +Uma vez que vocês foram purificados de seus pecados quando obedeceram à verdade, tenham como alvo agora o amor fraternal sem fingimento. Amem uns aos outros sinceramente, de todo o coração.

23 +Pois vocês nasceram de novo, não para uma vida que pode ser destruída, mas para uma vida que durará para sempre, porque vem da eterna e viva palavra de Deus.

24 +Pois, “Os seres humanos são como o capim; sua beleza é como as flores do campo. O capim seca e as flores murcham,

25 +mas a palavra do Senhor permanece para sempre”.3  E essa palavra é a mensagem das boas-novas que lhes foi anunciada.

Nosso alvo é alcançar um nível de relacionamento entre os irmãos em Cristo baseado no amor bíblico. Mas quais as razões para isso? Pedro enumera três razões para que os crentes sejam pessoas amorosas umas com as outras:

1) fomos purificados de nossos pecados pela obediência à verdade. O que é a verdade? Há duas ideias na Bíblia para a verdade – a primeira é o próprio senhor Jesus Cristo. Em João 14.6, ele afirmou que era o “caminho, a VERDADE e a vida”, e que é impossível chegar a Deus pai sem passar por ele. A outra ideia de verdade na Bíblia, refere-se à própria Escritura e foi também dita por Jesus em João 17.17, quando orava pelos discípulos dizendo: “17 Santifica-os na verdade; a tua palavra é a verdade.”. Cristo e a palavra de Deus são a causa da nossa purificação dos pecados. A morte e ressurreição de Jesus nos garante a nova vida, pois nos perdoa do pecado, retira de nós a nossa condenação. E a Palavra de Deus é a ferramenta pelo qual descobrimos essa verdade e por meio da qual teremos condições de reorientar as nossas vidas, conduzindo-nos para mais perto do Senhor. Outro motivo dado por Pedro para alcançarmos o amor fraternal não fingido, é que:

2) nascemos de novo para a vida eterna, por meio da Palavra de Deus; Uma pessoa conhece a Cristo apenas depois de ouvir a pregação da Palavra de Deus. É por meio da pregação que temos condições de compreender a verdade e nela crer, e o resultado é receber a salvação dos pecados e a certeza da vida eterna. Quem crê em cristo, não fica mais na condenação da morte, é ressuscitado com Cristo. Ou nasce de novo. Eu costumo exemplificar, lembrando que quando uma pessoa correndo risco de morrer é salva por outra, a primeira diz que “nasceu de novo”, e que “deve a vida a quem o salvou”. Estas frases se aplicam ao crente. Ele estava morto em seus pecados, mas foi salvo. Então nasceu de novo e deve sua vida a Cristo. O fato de termos nascidos de novo, deve mudar nossa maneira de ser, de agir, de pensar, e nos tornar mais parecidos com Jesus. E quando somos parecidos com Jesus, aprendemos a amar aos outros de todo coração e com sinceridade.

O outro motivo dado por Pedro para aprendermos a amar com sinceridade nossos irmãos é:

3) A fragilidade de nossa vida em contraste com a eternidade da Palavra de Deus. O verso 24 é uma citação de Isaías 40.6. Este verso nos ensina que nossa vida neste mundo é frágil, mas Palavra de Deus permanece para sempre e, portanto, o que ela diz é verdadeiro e eterno. Já que a nossa vida acaba e a garantia da eternidade com Deus está reservada apenas aos crentes, precisamos aprender a amar uns aos outros com sinceridade de coração. A morte aguarda a todos nós, porque nos tratarmos mal? Mas a eternidade com Deus está prometida em sua Palavra, e você que crê em Cristo, herdou essa moradia celestial, e portanto, todos juntos, devemos viver como irmãos amorosos, pois habitaremos como filhos na presença do Pai.

Neste mundo, guiados pela Bíblia, estamos sendo preparados para a nossa cidadania celestial. Mas como podemos melhorar nossos relacionamentos para vivermos o amor fraternal não fingido e amar nossos irmãos de todo coração? Pedro nos dá o método.

 

  1. O método – livrar-se de práticas pecaminosas.

1 +Portanto, livrem-se de toda maldade, todo engano, toda hipocrisia, toda inveja e todo tipo de difamação.

As únicas coisas que atrapalham nossos relacionamentos são nossos pecados. Pedro vem falando da atitude de alguém que nasceu de novo em Cristo, ou seja, o crente. Este deve ser uma pessoa consagrada, cheia de amor não fingido, amor sacrificial, perdoador, como o amor de Cristo. No entanto, parece que no capitulo 2.1, Pedro nos fala de algo que pode colocar tudo a perder, um certo ranço que insiste em permanecer em nossas vidas e que devemos lutar para retirar isso de nosso meio. Todos os pecados citados neste verso são causadores de problemas de relacionamento, por isso a ordem é: Livrem-se deles!

1) livre-se de toda maldade – esta palavra no original ainda pode significar desejo de injuriar. Esta atitude de insultar pessoas não é cabível aos cristãos, devendo ser abandonada.

2) todo engano – a palavra ainda admite traz a ideia de fraude, de astúcia. Enganar pessoas é a obra de satanás. Engano estraga todo relacionamento e deve ser abandonado.

3) toda hipocrisia – a palavra se refere ao que faz um ator de teatro. Ou seja, alguém que representa ou finge ser outra pessoa. A Bíblia é clara em dizer que não podemos ter duas medidas, não podemos ser falsos, fingidos. Quando o crente fala sim, este sim não pode significar não quando saímos de perto. Sinceridade é o que Deus espera de seus filhos. Abandonem isso.

4) toda inveja – inveja traz a ideia do cobiçar as coisas dos outros. O crente deve se alegrar com o sucesso e a prosperidade de outros. Se irritar quando alguém conseguiu algo melhor do que o nosso é um ato pecaminoso. Precisamos aprender a nos livrar desse pecado.

5) todo tipo de difamação – o falar mal dos outros, a calúnia que é levantar acusações falsas, isto é destruidor para os relacionamentos, dentro e fora da igreja.

Meus irmãos, o conselho de Pedro é – retirem do meio de vocês qualquer coisa que atrapalhem seus relacionamentos na igreja ou fora dela, pois tais coisas são pecados que destroem nossa alegria e nossa convivência. E impedem que o amor fraternal, não fingido, de todo coração aconteça.

 

CONCLUSÃO:

Como vamos agir de hoje em diante? Como vamos nos relacionar em nossas casas, com nossos vizinhos e em nossa igreja?

O conselho é deixe que o novo nascimento que você alcançou em Cristo produza amor verdadeiro e uma conduta pura.

Cristo morreu para nos dar a salvação, para nos garantir alegria eterna no céu, mas também morreu para que nossa vida neste mundo, seja de qualidade, seja agradável, que nossos relacionamentos sejam restaurados e abençoados.

Para isso, temos que evidenciar esse novo nascimento.

Deixe seu comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *