Filipenses 2.12-18 A Alegria de Viver Cristo

Filipenses 2.12-18

12 Assim, meus amados, como sempre vocês obedeceram, não apenas em minha presença, porém muito mais agora na minha ausência, ponham em ação a salvação de vocês com temor e tremor,

13 pois é Deus quem efetua em vocês tanto o querer quanto o realizar, de acordo com a boa vontade dele.

14 Façam tudo sem queixas nem discussões,

15 para que venham a tornar-se puros e irrepreensíveis, filhos de Deus inculpáveis no meio de uma geração corrompida e depravada, na qual vocês brilham como estrelas no universo,

16 retendo firmemente a palavra da vida. Assim, no dia de Cristo eu me orgulharei de não ter corrido nem me esforçado inutilmente.

17 Contudo, mesmo que eu esteja sendo derramado como oferta de bebida sobre o serviço que provém da fé que vocês têm, o sacrifício que oferecem a Deus, estou alegre e me regozijo com todos vocês.

18 Estejam vocês também alegres, e regozijem-se comigo.

GRANDE IDEIA: O salvo se alegra em obedecer, viver e guardar a palavra de Deus.

INTRODUÇÃO:

Um jovem tenente do exército britânico fora enviado para o Sul da África com o seu regimento. A mãe, pegando a sua Bíblia, deu-a ao jovem, que a guardou bem no fundo da mala. Um dia, sentado em frente à barraca, observava as operações de uma companhia de soldados. Escutava as ordens dos oficiais e notava a obediência das tropas. Subitamente, pareceu ouvir uma voz que lhe dizia haver um Grande Comandante a quem os homens devem obedecer. Levantou-se depressa, foi à mala, tirou dali a Bíblia que lhe fora entregue pela mãe, e, à proporção que lia, entregava-se a Deus.

Na semana passada, vimos nos versos 5 a 11, que Jesus abriu mão dos seus direitos e foi humilhado até à morte porque obedeceu a Deus, e o resultado foi que Deus o exaltou sobremaneira. A vida obediente e servil de Jesus nos serve de exemplo para a vida cristã que devemos ter.

                Na sequencia dos textos, Paulo depois de expor sobre Cristo e como ele fora obediente ao Pai por nossa causa, agora nos versos 12 a 18 ele faz uma aplicação prática do que havia ensinado. Cristo é o nosso modelo de obediência para que nós possamos praticar a obediência. Toda teologia deve nos conduzir à prática. Não lemos a Bíblia apenas para aprender coisas sobre Deus e Jesus, mas para aplicarmos o que aprendemos à ação.

                No texto que lemos hoje, Paulo ensina aos irmãos Filipenses a alegria de obedecer, viver e guardar a Palavra de Deus. Estas três motivações de nossa alegria cristã é que vamos refletir hoje. Então vejamos:

  1. 1.A ALEGRIA DE OBEDECER À PALAVRA DE DEUS.

12 Assim, meus amados, como sempre vocês obedeceram, não apenas em minha presença, porém muito mais agora na minha ausência, ponham em ação a salvação de vocês com temor e tremor,

13 pois é Deus quem efetua em vocês tanto o querer quanto o realizar, de acordo com a boa vontade dele.

                Se há uma palavra que marca a vida cristã, esta palavra é: OBEDIÊNCIA. Esta é uma palavra comum também nos escritos de Paulo. Às vezes ele muda as palavras, mas o conceito é o mesmo, como no caso da palavra submissão. Nos versos 5 a 11, Paulo fez questão de ensinar e mostrar como Cristo foi obediente ao Pai até quando isso parecia lhe causar prejuízo próprio, como foi a sua morte na cruz por nossa causa.

                Agora, Paulo inicia o verso 12 com as palavras “assim, meus amados”. Estas palavras ligam o que Paulo vai dizer de agora em diante com o que ele havia acabado de escrever. Parafraseando Paulo, era como se dissesse: “assim como Cristo foi obediente, vocês, que sempre obedeceram devem continuar fazendo isso”.

                Para que a igreja seja obediência à vontade de Deus expressa nas Escrituras, Paulo nos deixa algumas questões que merecem destaque.

  1. Ponham em ação a salvação de vocês com temor e tremor. – Na sua versão, ARC, lemos “operai a vossa salvação”. É interessante observar estas palavras, pois indicam que a salvação alcançada por nós, que nos foi dada gratuitamente em Cristo, e que alcançamos pela fé, deve ser desenvolvida, operada, colocada em ação. A mim me parece que Paulo nos convida a ter uma salvação não apenas intelectual, mas prática. O que aconteceu conosco, a transformação operada por Jesus em nosso coração precisa ser demonstrada na vida, de modo que todos possam observar.
  2. Colocamos nossa salvação em ação se estivermos guiados por Deus. Aqui Paulo mostra a soberania de Deus em nos guiar em obediência à sua vontade. Deus, por meio da sua Palavra, nos conduz a desejar obedecê-lo, e a ter condições de agir em obediência. Somos responsáveis pelas nossas ações. Mas é Deus que nos orienta a segui-lo de forma obediente. Para tanto, é preciso sempre obedecer sua Palavra.

                Se voltarmos nossos olhos para as palavras do verso 12, veremos que aquela igreja era obediente quando Paulo estava presente, e agora está sendo convidada a continuar obediente, mesmo na sua ausência. Era hora de expor o caráter de cada um. Alguém afirmou que caráter é aquilo que você é quando ninguém está vendo. Queridos, é disso que Paulo fala. Deus está vendo. Ele é nossa motivação para sermos obedientes. Olhando a Bíblia, vendo o exemplo de Jesus, precisamos obedecer sempre.

                Mas vejam, há uma segunda motivação para nossa alegria. Não somente ter alegria de obedecer mas também de viver.

2. ALEGRIA DE VIVER A PALAVRA.

14 Façam tudo sem queixas nem discussões,

15 para que venham a tornar-se puros e irrepreensíveis, filhos de Deus inculpáveis no meio de uma geração corrompida e depravada, na qual vocês brilham como estrelas no universo,

                Paulo continua orientando os irmãos filipenses sobre a obediência. Mas ele sai do nível da obediência entre cristãos para uma obediência a Cristo que transforma nossa vida, nosso modo de viver e que interfere na sociedade.

                Em primeiro lugar, para uma igreja que estava vivendo problemas de unidade e de comunhão, em que alguns viviam em conflito e que acabavam por servir a Cristo para promoção pessoal, o conselho do apóstolo era que fizessem tudo sem queixas nem discussões. Nas versões ARA e ARC, fala de murmurações e contendas. A palavra original traduzida para murmurações fala de conversas secretas, reclamações em bastidores. Aquela situação quando alguém está insatisfeito com algo ou alguém, mas que ao invés de procurar a pessoa envolvida, fica pelos cantos da igreja falando com outros irmãos, reclamando com outros, criando ambientes causadores de pecado da comunhão.

                Agora, porque era tão importante cessar as queixas, as discussões, as murmurações? A importância é dar testemunho ao mundo.

                No verso 15, Paulo diz que o nosso alvo como crentes fieis é nos tornarmos puros ou sinceros (moralmente puros) e irrepreensíveis, ou seja, que não sejamos passíveis de repreensão, livres de faltas. Pois assim fazendo, o mundo olhará para nós e verá filhos de Deus inculpáveis. Gente da qual não poderão fazer acusações. Irmãos, o que Deus espera da igreja é um testemunho visível da transformação ocorrida no coração. Este é um alto padrão de Deus para a igreja.

                A condição do mundo que Paulo descreveu não é diferente do mundo que vivemos hoje. É uma geração corrompida e perversa, depravada. Nosso mundo continua assim. Nossa sociedade se perde em corrupção em todos os âmbitos. O que ocorre com a corrupção na política é algo que vemos nas nossas relações do dia-a-dia. É o gato no relógio de luz; é a nota fiscal que não foi emitida; é a caneta que se leva para casa sem autorização. Além disso, nossa sociedade também se perde em sua depravação moral. A televisão chama atração ou atividade sexual de amor. O que não tem base bíblica. Romanos 1, nos mostra o castigo de Deus sobre a homossexualidade e as práticas imorais deste mundo pervertido e depravado.

                É no meio deste tipo de sociedade, que a Bíblia afirmou que “jaz no maligno”, que Paulo está convocando você e eu a sermos irrepreensíveis, e a sermos luz em meio as trevas. A brilhar como estrelas, como astros no meio da escuridão. Mas para isso, você precisará obedecer na mente e coração, e viver na prática a Palavra de Deus.

                Mas como obedecer e viver? Paulo nos ensina outra motivação:

  1. 3.A ALEGRIA DE GUARDAR A PALAVRA DE DEUS

16 retendo firmemente a palavra da vida. Assim, no dia de Cristo eu me orgulharei de não ter corrido nem me esforçado inutilmente.

17 Contudo, mesmo que eu esteja sendo derramado como oferta de bebida sobre o serviço que provém da fé que vocês têm, o sacrifício que oferecem a Deus, estou alegre e me regozijo com todos vocês.

18 Estejam vocês também alegres, e regozijem-se comigo.      

                Vejam como começa o verso 16. Leiam comigo, por favor, “retendo firmemente a palavra da vida”. A palavra grega traduzida como retendo, traz um mundo de significados importantes. Na versão ARC ela foi traduzida como “preservando”. Mas traz a ideia de segurar algo firmemente para si. Também pode trazer a ideia de atender, aplicar, observar, conferir cuidadosamente. Todas estas ideias são bastante importantes aqui.

                Porque não é simplesmente pegar a Bíblia, o texto, e apertá-lo contra o peito e afirmar: “Estou com a Bíblia e não abro” – E não abre mesmo. Mas é, guardar na mente e no coração. É cumprir o que disse o salmista. “Escondi a tua palavra no meu coração para não pecar contra ti”.

                O que Paulo nos ensina aqui é que precisamos conhecer bem a Bíblia e aplica-la de modo prático à vida. É preciso reter, guardar na mente, observar, conferir cuidadosamente, aplicar o que nela está escrito no nosso cotidiano.

                As palavras de Paulo no verso 17, parecem indicar que ele estava disposto a morrer pela causa de Cristo e da igreja do Senhor. A palavra libação indica a figura de alguém que derrama seu sangue numa morte violenta pela causa de Deus. Queridos, a Palavra de Deus é tão importante que vale a pena dar a nossa vida pela sua pregação. Ela é a palavra da vida.

                Para Paulo que amava o Senhor e sua igreja, se a igreja de filipos fosse obediente e se unisse para servir ao Senhor, sua prisão e até sua possível morte, teria valido a pena. Estou disposto a morrer para que todos guardem a palavra e vivam por ela em obediência. Esta é a minha alegria.

                Então Paulo diz aos irmãos filipenses. E vocês também podem e devem se alegrar comigo nisso.

                Quando leio esta carta, me chama a atenção o tipo de crente que Paulo é e o tipo de crente que nós somos na atualidade, e o tipo de crente que devemos nos tornar.

                Paulo está preso, algemado dentro da cela. Já sofreu coisas inimagináveis por causa do Evangelho de Jesus, e em favor da defesa da fé. Ele não ora a Deus para sair da cadeia. Ele sequer entende a prisão com um problema, mas como uma porta aberta à pregação da Palavra. E sua oração? Era pela igreja. Ele ora e escreve para que a igreja seja unida, seja obediente a Cristo, faça diferença na sociedade. Ele se alegra com a obediência da igreja a ponto de estar disposto a morrer por causa disso.

                Queridos, como ouvimos heresias nos nossos dias. Como tem gente preocupada consigo mesmo. Como tem gente que quer um evangelho de solução de problemas imediatos, mas que não dariam sua vida pela salvação de outros, ou pelo crescimento e pela comunhão de sua igreja.

                Pelo que você estaria disposto a dar sua vida? Pelo evangelho, por Cristo e sua igreja? Paulo falava da probabilidade da morte. Mas dar a vida por Cristo, pode ser estar disposto a sofrer prejuízos por causa dele. Até onde você iria pelo Senhor Jesus?

CONCLUSÃO:

                A carta da alegria nos chama a atenção para sermos alegres com Cristo, com sua igreja, com o evangelho, sermos alegres quando pessoas obedecem a Cristo, vivem a palavra de Deus e dão testemunho da transformação de Cristo. Somos convidados a ter alegria quando nossa igreja consegue ser luz em meio às trevas. Somos convidados a nos alegrarmos quando por Cristo e sua igreja tivermos que dar a nossa vida.

                O salvo se alegre em obedecer, viver e guardar a Palavra de Deus.

                Mudança de coração resultará em mudança de vida. Escondi sua palavra no meu coração para não pecar contra ti.

                Deus nos abençoe.

One thought on “Filipenses 2.12-18 A Alegria de Viver Cristo

Deixe seu comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *