Jonas 3.5-9 As provas do arrependimento

Jonas 3.6-9

5 Os ninivitas creram em Deus. Proclamaram jejum, e todos eles, do maior ao menor, vestiram-se de pano de saco.

6 Quando as notícias chegaram ao rei de Nínive, ele se levantou do trono, tirou o manto real, vestiu-se de pano de saco e sentou-se sobre cinza.

7 Então fez uma proclamação em Nínive: “Por decreto do rei e de seus nobres: Não é permitido a nenhum homem ou animal, bois ou ovelhas provar coisa alguma; não comam nem bebam!

8 Cubram-se de pano de saco, homens e animais. E todos clamem a Deus com todas as suas forças. Deixem os maus caminhos e a violência.

9 Talvez Deus se arrependa e abandone a sua ira, e não sejamos destruídos”.

                Certa vez, participando de uma assembleia deliberativa em uma igreja, um jovem que estava sob disciplina e sendo tratado pelo pastor pediu perdão diante da igreja por causa de seu pecado. Ele já havia demonstrado mudança de atitude e vida em relação ao pecado, comprovado por sua família e pelos irmãos da igreja. Então foi aceito com muita alegria, entre choro emocionado e muitos abraços. Na mesma assembleia, uma moça, ainda na prática de seus pecados, sendo conduzida para ser disciplinada, se levanta e diz: “Se é só chorar aí na frente e dizer que estou arrependida para ser aceita de volta, então eu faço”. Nos seus gestos e tom de voz, já se percebia um total escárnio para com o momento e falta de respeito para com a igreja.

                Esta história nos evidencia que arrependimento, quando verdadeiro, demandará atitudes externas comprovadoras do que aconteceu no interior. Alguém sabiamente disse que arrependimento inclui mudança de atitude em relação ao pecado e reparação do dano causado.

                Quando o Rei de Nínive recebeu as notícias sobre a pregação de Jonas e a conversão que já estava acontecendo no reino, ele dá início de forma oficial aos atos comprobatórios do arrependimento daquele povo. Vejamos alguns deles:

  1. Fé em Deus. Jamais haverá mudança profunda na vida de alguém, a menos que tais mudanças sejam promovidas pela fé em Cristo. O verso 5 afirma que os ninivitas creram em Deus. Creram que ele era o único Deus verdadeiro, creram que ele era capaz de fazer o que prometera fazer, ou seja, punir o seu pecado. Portanto, movidos pela fé na pregação que ouviram, creram, e a fé em suas mentes e corações resultou em mudanças práticas. Nosso arrependimento também se dá quando ouvimos a mensagem de Cristo e cremos nele. A fé vem pelo ouvir a Palavra de Deus, afirmou Paulo em Rm 10.17
  2. Humilhar-se diante de Deus. Dois atos de humilhação foram feitos pelo povo e depois se tornou um decreto real. O jejum e o rasgar de roupas e se vestir-se de panos de saco e ainda se sentar sobre a cinza. Essas práticas eram comuns na antiguidade e representavam tristeza, humildade e penitência. Todos na cidade fizeram isso. Não há no texto qualquer evidência de uma tentativa de justificar seus atos pecaminosos. Abandonaram toda soberba, prepotência, arrogância, orgulho. Sim, deixaram tudo. Humilharam-se completamente diante de Deus. Até o rei deixou suas roupas reais para vestir de saco como forma de arrependimento. Quando alguém se arrepende sinceramente, esta pessoa abandona suas justificativas e sua arrogância e se humilha diante de Cristo, dependendo sua salvação e perdão única e exclusivamente dos atos de Cristo e não mais dos seus.
  3. Abandono de qualquer prática considerada pecaminosa. No verso 8, o rei ordena que todos clamem a Deus com todas as suas forças e deixem seus maus caminhos e a violência. É interessante como a conversão toca exatamente onde está o pecado. O homem arrepende-se quando reconhece que sua prática é pecaminosa à luz da Bíblia e então, percebe que errou e caminha em direção à mudança. Nos últimos tempos, temos sido atacados por teologias liberais que tentam nos dizer que algumas das nossas práticas não são pecaminosas. Ora, se mudamos os conceitos e valores bíblicos e dizemos que algo já não é mas pecado, não haverá do que nos arrependermos. Paulo afirmava que existe pecado, porque existe lei. Portanto, para que haja arrependimento, precisamos da Palavra de Deus e uma vez que ela aponta para o nosso pecado, devemos abandoná-lo imediatamente.

                O rei de Nínive ainda não sabia tudo sobre Deus. O verso 9, afirma que ele faz tudo isso na esperança de que Deus se arrependesse e abandonasse sua ira, e eles não fossem destruídos. Os ninivitas esperavam pela misericórdia de Deus, ou seja, que Deus não lhes dessem o que eles mereciam, que era a morte. Mas descobriram que Deus lhes deu a sua graça. A salvação que eles não mereciam. Deus ainda age conosco por misericórdia e graça, por meio de Jesus Cristo, bastando que você demonstre arrependimento sincero, fé, mudanças de atitude.

                DESAFIO DE HOJE: Ore a Deus e o louve por ser gracioso e misericordioso com você. Estamos vivos por causa desta misericórdia. Se há algum pecado, reconheça, arrependa-se e mude de atitude. Comprometa-se com o Senhor a reparar o dano, caso seja necessário. Mas alegre-se por saber que quando nos arrependemos sinceramente e não forçosamente como a moça da nossa ilustração inicial, Deus está pronto a perdoar nossos pecados e nos purificar de toda injustiça. Ele e misericordioso e gracioso para conosco. Que Ele seja contigo. Amém.

Deixe seu comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *