Jonas 1.13-16 Deus continua agindo

Jonas 1.13-16

13 Ao invés disso, os homens se esforçaram ao máximo para remar de volta à terra. Mas não conseguiram, porque o mar tinha ficado ainda mais violento.

14 Então eles clamaram ao Senhor: “Senhor, nós suplicamos, não nos deixes morrer por tirarmos a vida deste homem. Não caia sobre nós a culpa de matar um inocente, porque tu, ó Senhor, fizeste o que desejavas”.

15 Então, pegaram Jonas e o lançaram ao mar enfurecido, e este se aquietou.

16 Ao verem isso, os homens adoraram ao Senhor com temor, oferecendo-lhe sacrifício e fazendo-lhe votos.

                Certa vez ouvi uma frase que nunca esqueci: “Deus salva o pecador apesar do pregador”. Quando leio Jonas 1.13-16, vejo a confirmação disto. Contextualizando, Jonas, pregador conhecido em Israel é chamado por Deus para pregar em Nínive. Mas como Nínive era a capital da Assíria, a maior inimiga de Israel, Jonas tentou fugir da sua responsabilidade. Entrou num Navio que ia para Tarsis (região da Espanha atual). Deus o persegue, manda uma tempestade que ameaçava a vida de todos no navio. Jonas não ajuda, e ainda vai ao fundo do navio para dormir. É acordado pelo capitão do Navio, e agora tem sua vida exposta. Jonas confessa seu pecado, mas não se arrepende. Podia ajoelhar-se e clamar pelo perdão de Deus, mas não o faz. Prefere morrer do que obedecer. Então sugere que os homens o lancem ao mar. Nosso texto começa aqui. Os homens não querem matar Jonas. Eles tentam por esforço próprio levar o barco até a praia em segurança. É interessante que os homens do barco fazem mais por Jonas do que Jonas fez por eles. Jonas foi dormir quando a tempestade veio. Estes homens lutar bravamente para salvar a todos no barco e não ser preciso jogar Jonas no mar revolto. Há mais compaixão no mundo pecaminoso do que em muitos que estão na igreja. Precisamos ficar atentos.

                Os marinheiros resolvem então orar a Deus, o Deus de Jonas. Somos adeptos de tantos deuses, podemos acrescentar mais um. Eles apenas não queriam ser punidos juntamente com Jonas. Em meio à crise por causa do seu pecado, Jonas está sendo usado por Deus. Gente que nem sequer sabia da existência do Senhor agora está começando a lhe dirigir orações, ainda que por medo, por temor. Mas, o temor do Senhor é o princípio da sabedoria. Apesar de Jonas, Deus está continua agindo. Um comentarista bíblico afirmou que a confissão do pecado de Jonas, serviu para dar conhecimentos de teologia básica aos marinheiros: eles souberam da existência do Deus de Jonas, aprenderam que este Deus julga o pecado; entenderam que tinham culpa diante de Deus, e, que Deus é soberano sobre sua criação. Eles confessaram isso ao dizer no final do verso 14. “porque, tu, ó Senhor, fizeste o que desejavas”.

                Quando seguiram as instruções e jogaram Jonas no mar, este se aquietou. Agora sim, os marinheiros se desesperaram. Era mais assustador ver a tempestade cessar imediatamente do que lutar contra ela, por mais forte que parecesse. Eles estavam acostumados com tempestades em alto mar, mas nunca uma que cessasse imediatamente ao lançar alguém no mar. Quando a tempestade começou eles invocaram seus deuses, quando ela chegou no auge, eles invocaram o Deus de Israel, quando ela terminou, eles já estão servindo e cultuando o Deus verdadeiro. Houve transformação na vida daqueles marinheiros. O verso 16, relata a verdadeira conversão daqueles homens. Deus continuava agindo. Deus usou Jonas e a confissão de seu pecado, para ensinar e salvar homens pecadores do barco. O mal de Jonas, Deus o tornou em bem. Pena que Jonas sequer percebeu isso. Aqui, Deus salvou o pecador apesar do pregador.

                Pense um pouco. Nossa história registra que nunca antes o Brasil foi tão evangélico quanto agora, e que contribuição temos dado na melhoria do nosso país? Precisamos ter coragem para confessar nossos pecados ao nosso povo. Parte da tragédia no Brasil é nossa culpa. Oramos menos a Deus do que um idólatra ora às suas imagens. Somos menos compassivos, menos sensíveis e bondosos diante das necessidades humanas do que os incrédulos. Somos muitas vezes mais parte do problema do que da solução. Não seguimos as orientações de 2 Crônicas 7.14. Deus continua agindo, infelizmente, apesar de nós.

                Esta porção da história de Jonas nos ensina que há duas formas de sermos testemunhas de Cristo neste mundo. Pregando com ousadia, dedicação e vida o Evangelho. Ou quando confessando nossa fuga e desobediência à vontade de Deus. Quando mostrarmos ao mundo que não é Deus quem falhou, mas fomos nós, o mundo poderá crer.

DESAFIO DE HOJE: Ore a Deus e clame pela sua misericórdia. Ele é gracioso. Ele continua realizando sua obra apesar de nós. Peça a Ele para ser que na sua experiência de vida, sejamos testemunhas de Cristo de modo puro e verdadeiro. Mas, se ele te mostra o seu pecado, então confesse sua desobediência e fuga, retome a direção certa. Deus continua agindo, fazer parte dos planos dele deve ser o seu alvo. Deus nos abençoe. Amém.

Deixe seu comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *