Jonas 1.1-3 A VONTADE DE DEUS E A REAÇÃO DO HOMEM

Jonas 1.1-3

1 A palavra do Senhor veio a Jonas, filho de Amitai com esta ordem:

2 “Vá depressa à grande cidade de Nínive e pregue contra ela, porque a sua maldade subiu até a minha presença”.

3 Mas Jonas fugiu da presença do Senhor, dirigindo-se para Társis. Desceu à cidade de Jope, onde encontrou um navio que se destinava àquele porto. Depois de pagar a passagem, embarcou para Társis, para fugir do Senhor.

                O que você faria se desse uma ordem a seu filho e ele lhe desobedecesse voluntariamente e fixando os olhos em você dissesse: “eu não vou fazer”. Pois bem, eu assisti a uma cena como esta. O pai pediu a filha que se comportasse de algum modo, mas a filha, olhando para ele afirmou: “Não vou fazer”. “Filha, se você me desobedecer, eu terei que bater em você”. Disse o pai. “Tudo bem, pai, mas eu não vou fazer.” – E ele: “Filha, se papai bater, vai doer”. E ela disse: “Pai, eu sei que vai doer, mas eu não vou fazer”.

                Nunca mais me esqueci desta cena que presenciei há muitos anos atrás. A menina, como diziam os antigos, tinha opinião. O pai a disciplinou, ela apanhou, ficou de castigo, mas não fez o que foi mandado, pelo menos, não naquele dia.

                Queridos, penso que Jonas fez o mesmo com Deus. Jonas era um profeta reconhecido em Israel. Em 2 Reis 14.25, temos menção ao profeta Jonas, o que comprova sua historicidade. Assim, sabemos que lidamos com um livro histórico e não com uma ficção.

                O personagem principal do livro é Deus. Não é Jonas, nem é o peixe que o engoliu. Nestes primeiros 3 versos vemos que Deus é soberano em suas decisões e escolhas. Ele poderia ter escolhido outros profetas ou outra qualquer pessoa. Mas ele escolheu Jonas para uma importante tarefa. Pregar contra Nínive. Nínive, era a capital da Assíria, uma nação inimiga de Israel, que possuía um povo violento e cruel. Deus manda seu servo pregar contra ela e não a favor dela. A ideia é confrontá-la com sua maldade. Fazendo uma comparação rápida, era como se Deus mandasse alguém procurar o sujeito que sempre lhe bateu na escola, e dizer a ele que esta ação está errada e que se ele não parar, Deus vai puni-lo. Que tal? O que você acha que aconteceria?

                Pois bem, esta era a vontade de Deus para Jonas. O profeta reconhecido e conhecido em Israel, o homem de Deus, sim, este homem decidiu fugir da presença de Deus e desobedecer sua vontade. A reação de Jonas é contrária a tudo o que Deus lhe disse. Ainda que momentos antes, talvez Jonas tenha feito sua devocional, lido uma porção das Escrituras, orado, cantado um hino em louvor a Deus, agora, Jonas está no porto, pagando uma passagem para Társis, região da Espanha atual, para fugir da presença de Deus.

                Aqui se destaca a tolice de Jonas. Será que ele nunca havia cantado no templo o Salmo 139? “7 Para onde poderia eu escapar do teu Espírito? Para onde poderia fugir da tua presença?8 Se eu subir aos céus, lá estás; se eu fizer a minha cama na sepultura, também lá estás.9 Se eu subir com as asas da alvorada e morar na extremidade do mar,10 mesmo ali a tua mão direita me guiará e me susterá. Com certeza ele cantou isto várias vezes. Ele orou isto várias vezes. A desobediência de Jonas foi voluntária e consciente. Não foi por faltar conhecimento, na verdade, no caso dele, creio que foi por conhecer demais.

            Queridos, não podemos criticar Jonas. Você e eu somos iguais a ele. Talvez em mais ou menos grau, mas somos igual. Talvez não em todo tempo, mas somos iguais. Jonas fazia tudo que um bom crente da atualidade faz. Jonas cantava, ia ao templo, orava, pregava em Israel, era reconhecido e respeitado. Mas, parece que incorreu num erro perigoso. Ele se acostumou com o sagrado. Se esqueceu que é mais importante cumprir a vontade de Deus, do que oferecer coisas para Deus. Quantos de nós estão vivendo uma vida de pragmatismo religioso, de rituais, mas algo sem vida. Quantos estão lendo ou ouvindo a Bíblia ser pregada, sabendo a vontade de Deus, mas insistindo em ser contrário à Ela, na vida prática. Tentando fugir da responsabilidade ou da presença de Deus, como se isso fora possível. Você lê no Salmo 1.2 que é feliz quem tem o seu prazer na lei do Senhor e medita nela dia e noite, mas seu contato com a Bíblia não passa de uma ou duas vezes por semana, porque depende das vezes que vai ao templo para um culto.

            Deus ainda mantém a vontade dele. Ela está na Bíblia. Passou da hora de parar de fugir da nossa responsabilidade de obediência à sua vontade.

DESAFIO DE HOJE: Ore a Deus, e peça a Ele que mostre a você, onde você tem falhado. Em que áreas ou assuntos você tem tentado fugir da responsabilidade e da obediência à sua vontade, e quando ele lhe mostrar, arrependa-se e permita que Deus o use, com poder, para gloria dele, edificação da igreja e salvação dos perdidos. Deus nos abençoe. Amém.

Deixe seu comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *