Efésios 4.17-24 A Vida como ela é

A VIDA COMO ELA É

Efésios 4.17-24

17 E digo isto e testifico no Senhor, para que não andeis mais como andam também os outros gentios, na vaidade do seu sentido,

18 entenebrecidos no entendimento, separados da vida de Deus, pela ignorância que há neles, pela dureza do seu coração,

19 os quais, havendo perdido todo o sentimento, se entregaram à dissolução, para, com avidez, cometerem toda impureza.

20 Mas vós não aprendestes assim a Cristo,

21 se é que o tendes ouvido e nele fostes ensinados, como está a verdade em Jesus,

22 que, quanto ao trato passado, vos despojeis do velho homem, que se corrompe pelas concupiscências do engano,

23 e vos renoveis no espírito do vosso sentido,

24 e vos revistais do novo homem, que, segundo Deus, é criado em verdadeira justiça e santidade.

 

GRANDE IDEIA: O crente, por causa da sua nova condição em Cristo deve viver, na prática, como uma pessoa transformada.

 

INTRODUÇÃO:

 

                Fui consagrado ao ministério pastoral no dia 14 de Outubro de 1995. Ou seja, em 14 de Outubro de 2015, completarei 20 anos de ministério pastoral. Neste período conheci muitas igrejas e muitos pastores. Um deles, foi o Pastor Benjamim Edgard Hope, um missionário norte americano que era um dos líderes da Convenção Batista do Tocantins quando por lá cheguei em 1995. Pastor Benjamim me contou certa vez que havia tirado o brevê de piloto de avião, uma espécie de carteira de motorista, só que para avião. No dia de seu exame, depois de pousar o avião e ser informado de que havia sido aprovado. Seus colegas de curso cumpriram um ritual. Despejaram nele um barril de óleo queimado e depois jogaram um saco de penas. O que significava que agora que sabia voar, ele era como uma ave. Depois daquela comemoração, deram um banho nele com aquela mangueira de incêndio, com um forte jato de água. Ele disse que aquele banho ajudou a tirar o excesso de óleo de seu corpo, mas as roupas, aquelas tiveram que ir para o lixo.

                A história do pastor Benjamim exemplifica bem a nossa condição como cristãos. Quando recebemos a Cristo em nossas vidas e cremos nele, nos tornamos também pessoas aprovadas por Deus. Paulo afirmou em Rm 8 que Deus nos justifica. Mas a roupa do velho homem, do homem pecado sem Jesus, ou seja, as práticas antigas, precisam ser retiradas. A nova vida que recebemos em Cristo, a lavagem da água da Palavra de Deus não é compatível com aquela roupa suja. Mas infelizmente, alguns tem dificuldade de jogar fora a roupa velha e suja do pecado. E de vez em quando, eles voltam a usar algumas peças, pecando contra Deus. Por isso, Paulo nos ensina que é preciso nos despir do velho homem e nos revestir do novo homem.

                O texto que lemos inicia-se com um tom forte, em que Paulo insiste a que os efésios não vivessem mais como viviam as pessoas sem Cristo de sua comunidade. Deste verso 17 em diante, seguem-se um contraste entre a vida sem Cristo e a vida com Cristo.

                Estes dois aspectos trazem lições importantes, vejamos então:

 

1.       A VIDA SEM JESUS.

17 E digo isto e testifico no Senhor, para que não andeis mais como andam também os outros gentios, na vaidade do seu sentido,

18 entenebrecidos no entendimento, separados da vida de Deus, pela ignorância que há neles, pela dureza do seu coração,

19 os quais, havendo perdido todo o sentimento, se entregaram à dissolução, para, com avidez, cometerem toda impureza.

 

                Se voltarmos nossos olhos para os capítulos 1 – 3, vamos nos lembrar que Paulo já havia afirmado que Deus lhe revelou um mistério, que judeus e não judeus, por causa de Cristo, se uniriam como um novo povo, uma nova sociedade, o novo povo de Deus, corpo de Cristo, ou seja, a sua igreja. Um povo formado de pessoas abençoadas nas regiões celestiais, onde não havia mais barreiras e inimizades, onde todos iriam trabalhar pelo crescimento da igreja, motivados pelo amor cristão, puro e sacrificial.                Mas agora, à partir de 4.17, Paulo nos conclama a viver na prática, aquilo que descobrimos ser em Cristo. Essa posição que recebemos de filhos, escolhidos, predestinados, salvos por Jesus, selados pelo Espírito, deve ser vivida de modo digno. E este modo digno difere do modo como vivem as pessoas sem Jesus. O comentário Moody, afirma que “Deus sempre une doutrina com prática, ensinamentos e os resultados práticos dos ensinamentos”.

                Agora é hora de agir de acordo com aquilo que nos tornamos. Se somos de Jesus temos que ter uma vida diferente do mundo. E como é a vida daqueles que não tem Jesus?

a.       V. 17. Andam na vaidade do seu sentido. O original poderia ser traduzido como “perversidade ou depravação da mente”. O que o mundo pensa é vão, é fútil, é vazio, é inútil, por isso, os pensamentos do mundo contrastam com os valores de Deus. Por isso o crente não pode amar o mundo. Tiago 4.4, afirma que “a amizade com o mundo é inimizade com Deus”. Em Lucas 16.15, Jesus afirmou que “Aquilo que tem muito valor entre os homens é detestável aos olhos de Deus”.

b.      V. 18 – Tem percepção deturpada.  A pessoa sem Jesus tem sua mente, seu entendimento coberto pelas trevas, pela escuridão. Não há luz. Por isto estão fora da vida que temos em Deus. Na mente humana sem Cristo há a falsa esperança de que a humanidade está se tornando melhor, mas na verdade estão cegos. Percebemos isso no relativismo moral, na tolerância para a perversão sexual e a promiscuidade. O coração do sem Cristo é bloqueado para uma percepção correta das coisas. A humanidade está dizendo crer em Deus mais do nunca neste tempo, mas vivem como se a Bíblia não existisse, como se Deus não tivesse estabelecido nenhum padrão moral. Por isso se distanciam cada dia mais de Deus. Se você se lembrar, em 1.17,18, Paulo orou para que os crentes tivessem iluminados os olhos do entendimento. Que contraste entre um crente e um não crente.

c.       V.19 – Tornaram-se insensíveis e excessivamente impuros. Paulo afirma que sem Cristo, o homem se rende aos pecados, à imoralidade sexual, à luxúria, aos níveis mais degradantes de pecados. Eles não são apenas pecadores e se deixam conviver com o pecado, mas gostam de pecar, tem desejo de fazer isso. Fazem do pecado o seu trabalho diário. Quando olho para nossa sociedade e para os jornais, vemos que o pecado está se institucionalizando em nosso país. Homossexuais e seus vertentes querem taxar a todos nós de homofóbicos, tentando criar leis para protege-los enquanto nós seremos punidos. A corrupção no nosso governo é escancarada. Há a cada dia mais e mais denúncias e o pior, grande parte comprovada, embora, para a maioria haja a impunidade. A imoralidade sexual está desenfreada. Para o mundo sem Cristo, o que se procura é a sensualidade, o que significa que a sexualidade é a ordem. Já não se pode assistir uma propaganda sem que nela não se encontre algum conteúdo sexual imoral.

                Enfim, esta é a condição do homem sem Jesus. Pessoas que convivem conosco, mas que estão distantes de Deus, cujas vidas estão condenadas ao inferno, pois permanecem debaixo da ira de Deus.

                Mas, graças a Deus que Paulo não parou aqui. Ele está escrevendo para um grupo de pessoas regeneradas, gente que nasceu de novo, que é uma nova criatura. São os salvos em Cristo Jesus. Mas este povo de Deus deve viver uma vida transformada, diferente da vida do mundo, e cada dia mais parecida com a vida de Jesus, nosso exemplo maior.

                Vejamos o que Paulo fala sobre:

 

 

 

2.       A VIDA COM JESUS.

20 Mas vós não aprendestes assim a Cristo,

21 se é que o tendes ouvido e nele fostes ensinados, como está a verdade em Jesus,

22 que, quanto ao trato passado, vos despojeis do velho homem, que se corrompe pelas concupiscências do engano,

23 e vos renoveis no espírito do vosso sentido,

24 e vos revistais do novo homem, que, segundo Deus, é criado em verdadeira justiça e santidade.

                À partir do versículo 20, Paulo faz um contraste entre o cristão e o sem Cristo. Ele inicia dizendo que nós que somos de Cristo, aprendemos um novo modo de agir, uma nova maneira de viver neste mundo. Cristo é o nosso professor, e o modo de vida do sem Cristo não foi o que aprendemos com Jesus. Para nós há um modo de ser e viver de alto nível, transformado, diferente.

                Assim como Pastor Benjamim teve que jogar fora sua roupa suja de óleo, o cristão deve se despir do velho homem, das práticas pecaminosas como se fossem roupa velha e jogar tudo fora. Mas infelizmente, ainda há muitos que, de vez em quando, voltam a usar algumas peças daquela roupa velha.

                O apelo de Paulo no verso 21 é que se temos ouvido a Cristo e se temos mesmo sido ensinados pela sua Palavra, cremos que Jesus é a verdade que precisamos para viver. E que a vida que levamos hoje deve ser melhor, diferente da do mundo, uma vida transformada. O seu conhecimento de Cristo jamais levará você a viver como alguém sem Cristo. Se isto está acontecendo há algo errado.

                Então, para que você viva do modo de Cristo, é preciso, como ele afirmou no verso 22, abandonar o velho homem, cuja marca é o engano. Em Colossenses 3.5, Paulo nos diz o que devemos deixar do velho homem, “Assim, façam morrer tudo o que pertence à natureza terrena de vocês: imoralidade sexual, impureza, paixão, desejos maus e a ganância, que é idolatria” (NVI)

                 Mas só abandonar as práticas pecaminosas do passado não basta, é preciso ocupar a mente e o coração com as coisas de Deus. Nas palavras de Paulo nos versos 23 e 24, tire a roupa velha do pecado e coloque a roupa que você ganhou de Cristo. Vista-se do novo homem, que foi criado por Deus, em verdadeira justiça e santidade.

                “Se a degradação dos pagãos é devida à futilidade das suas mentes, a retidão cristã depende da constante renovação da nossa mente… Aprender de Cristo é compreender a nova criação que Ele tornou possível, e a vida inteiramente nova que dela resulta. É nada menos do que tirar a nossa velha humanidade como uma roupa podre, e vestir – como uma roupa nova – a nova humanidade criada na imagem de Deus.” (J. Stott)

               

APLICAÇÕES:

1.       O crente, por causa da sua nova condição em Cristo, deve viver na prática como uma pessoa transformada. Mas como?

2.       “Façam morrer tudo o que pertence à natureza terrena de vocês: imoralidade sexual, (sexo antes do casamento, adultério, prostituição, homossexualismo, lesbianismo, sexo com animais, ou seja, todo tipo de vida sexual que não seja a relação natural dentro do casamento bíblico); impureza, paixão, desejos maus e a ganância, que é idolatria” (Colossenses 3.5).

3.       Revista-se do novo homem. Decida ser parecido com Jesus. Fuja da aparência do mal, fuja de locais e ambientes que te conduzirão ao pecado.

4.       Estar atentos a fugir da nossa antiga mentalidade, nossas antigas atitudes e desejos corruptos, sabendo que aquele que está em Cristo, é nova criação.

5.       Em certo sentido todo crente já se despiu do “velho homem” e se vestiu do “novo homem” no ato de sua conversão, porém… esta conversão “básica” deve ser seguida de uma conversão diária! Veja o que diz Filipenses 2:12… “Ponham em ação a salvação de vocês com temor e tremor”

6.       Então, você não deve orar dizendo “Senhor, tire a velha natureza de dentro de mim”; mas ore: “Senhor, ajude-me a viver a verdade que meu “velho homem” já está pregado na cruz”.

7.       Deus nos abençoe.

Deixe seu comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *