A vulnerabilidade da economia mundial

Diz o velho ditado: “Um homem com dinheiro no bolso fala mais grosso”. Isso expressa uma verdade incontestável. A maior preocupação do homem é com os seus bens. O sucesso do seu futuro está ligado ao que ele tem ou ao que ele terá. Aposentadoria boa, investimentos, negócios rendosos se constituem na maior preocupação do homem. Sabedor de que o homem sempre estaria muito arraigado às coisas terrenas, o Deus Eterno nos adverte: “Não depositem a sua esperança na instabilidade das riquezas.” 2 Tm 6.17.

 

Parece-me que o quadro apocalíptico (quadro dos últimos tempos) está sendo pintado com fortes cores econômicas. A vulnerabilidade da economia mundial é extremamente sensível a qualquer coisa, por mais insignificante que seja. Uma simples declaração de um presidente, ou uma aventura extraconjugal são suficientes para abalar a economia mundial. Diante dessa agravante, pergunto: De que adiantarão os tesouros que acumulamos aqui na terra? Não somos pessimistas. Somos realistas. Não quero com esta reflexão fazer você entrar em desespero, despojar-se de tudo o que tem, dizer que o mundo vai acabar porque a economia mundial não está indo muito bem. Quero alertá-lo para as palavras de Paulo a Timóteo:

 

“Não depositem e sua esperança na INSTABILIDADE das riquezas.”  

 

Olha que isso foi escrito há quase dois mil anos. Não é errado ter riquezas. Errado e pecado é depositar nela a sua esperança. A cada dia que passa, vêem-se as profecias se cumprindo e as exortações da Palavra de Deus tornando-se tão atuais. Qual tem sido a nossa motivação quanto às excessivas preocupações financeiras? E por que queremos contribuir mais para a obra do Senhor ou por que queremos garantir um futuro que duvidamos que o Senhor poderá garantir?

Nada melhor do que terminar esta pastoral resumindo o que disse o Nosso Mestre em Mateus 6.19-20:

 

“Não ajunteis tesouros na terra (economia vulnerável); mas ajuntai tesouros no céu (economia invulnerável).”

 

Pr. Antônio Mendes – PIB DE ATIBAIA

 

 

Deixe seu comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *