1 Coríntios 15.12-28 A RESSURREIÇÃO DE CRISTO É A NOSSA GARANTIA

Texto: 1 Coríntios 15.12-28

12 Ora, se está sendo pregado que Cristo ressuscitou dentre os mortos, como alguns de vocês estão dizendo que não existe ressurreição dos mortos?

13 Se não há ressurreição dos mortos, então nem mesmo Cristo ressuscitou;

14 e, se Cristo não ressuscitou, é inútil a nossa pregação, como também é inútil a fé que vocês têm.

15 Mais que isso, seremos considerados falsas testemunhas de Deus, pois contra ele testemunhamos que ressuscitou a Cristo dentre os mortos. Mas se de fato os mortos não ressuscitam, ele também não ressuscitou a Cristo.

16 Pois, se os mortos não ressuscitam, nem mesmo Cristo ressuscitou.

17 E, se Cristo não ressuscitou, inútil é a fé que vocês têm, e ainda estão em seus pecados.

18 Neste caso, também os que dormiram em Cristo estão perdidos.

19 Se é somente para esta vida que temos esperança em Cristo, dentre todos os homens somos os mais dignos de compaixão.

20 Mas de fato Cristo ressuscitou dentre os mortos, sendo as primícias dentre aqueles que dormiram. Cl 1:18; 1Pe 1:3; Ap 1:5;

21 Visto que a morte veio por meio de um só homem, também a ressurreição dos mortos veio por meio de um só homem. Gn 2:17; Gn 3:6; Rm 5:12; Rm 5:18; Rm 6:23;

22 Pois da mesma forma como em Adão todos morrem, em Cristo todos serão vivificados.

23 Mas cada um por sua vez: Cristo, o primeiro; depois, quando ele vier, os que lhe pertencem.

24 Então virá o fim, quando ele entregar o Reino a Deus, o Pai, depois de ter destruído todo domínio, autoridade e poder. 1Co 2:6;

25 Pois é necessário que ele reine até que todos os seus inimigos sejam postos debaixo de seus pés. Sl 110:1; At 2:34; Ef 1:20; Cl 3:1; Hb 1:13; Hb 10:12;

26 O último inimigo a ser destruído é a morte.

27 Porque ele “tudo sujeitou debaixo de seus pés”. Ora, quando se diz que “tudo” lhe foi sujeito, fica claro que isso não inclui o próprio Deus, que tudo submeteu a Cristo. Sl 8:6; Mt 11:27; Mt 28:18; Ef 1:22; Hb 2:8;

28 Quando, porém, tudo lhe estiver sujeito, então o próprio Filho se sujeitará àquele que todas as coisas lhe sujeitou, a fim de que Deus seja tudo em todos.

GRANDE IDEIA: A ressurreição é a garantia da nossa esperança cristã.

INTRODUÇÃO:

                Há um hino que cantávamos há uns 30 anos atrás que nos trazia a esperança da vida no céu. Na sua letra tínhamos as seguintes palavras: “Este mundo jamais pode me separar dos valores celestiais que eu vou receber, meu tesouro e esperança estão no meu novo lar, sou herdeiro com Cristo, vou com ele morar. Céu, lindo céu. Céu, lindo céu, há mansões celestiais todas feitas por Deus. Céu, lindo céu. Céu, lindo céu. Eu vou pro céu, lindo céu, com Cristo vou morar no lindo céu”.

                Na letra deste hino ficava registrada a nossa esperança de um dia habitar o céu, de morar eternamente com Jesus. Acontece que para muitos o céu é apenas um estado de felicidade da alma. Para outros é um local onde nós habitaremos. Se cremos que vamos para o céu após a morte e não teremos outro corpo, então a primeira ideia é a mais correta. Mas se cremos que receberemos um corpo para habitar o céu, podemos pensar nisto como um lugar.

                Paulo, no texto que lemos, nos ensina que podemos crer na ressurreição do corpo como uma realidade, e que sua prova está na ressurreição de Cristo. Mas na frente, neste capítulo ele fará explicação sobre como será o nosso novo corpo, mas aqui, ele mostra dois pontos cruciais que nos ajudam a manter viva a nossa esperança na ressurreição.

                Vamos a elas:

  1. 1.A RESSURREIÇÃO É A BASE DA NOSSA ESPERANÇA DE SALVAÇÃO (15.12-19).

 12 Ora, se está sendo pregado que Cristo ressuscitou dentre os mortos, como alguns de vocês estão dizendo que não existe ressurreição dos mortos?

13 Se não há ressurreição dos mortos, então nem mesmo Cristo ressuscitou;

14 e, se Cristo não ressuscitou, é inútil a nossa pregação, como também é inútil a fé que vocês têm.

15 Mais que isso, seremos considerados falsas testemunhas de Deus, pois contra ele testemunhamos que ressuscitou a Cristo dentre os mortos. Mas se de fato os mortos não ressuscitam, ele também não ressuscitou a Cristo.

16 Pois, se os mortos não ressuscitam, nem mesmo Cristo ressuscitou.

17 E, se Cristo não ressuscitou, inútil é a fé que vocês têm, e ainda estão em seus pecados.

18 Neste caso, também os que dormiram em Cristo estão perdidos.

19 Se é somente para esta vida que temos esperança em Cristo, dentre todos os homens somos os mais dignos de compaixão.

                Quando olhamos para o verso 12, vemos que os coríntios tinham muitas dúvidas sobre a ressurreição. Existia um grupo de irmãos naquela igreja que defendia que a ressurreição dos mortos não existia.

                Para resolver esta questão, Paulo escreveu essa porção bíblica mostrando que não crer na ressurreição de Cristo podia trazer 3 sérias consequências;

  1. A.A fé seria vazia, sem conteúdo. (13-14). Se os mortos não ressuscitassem, Cristo não teria ressuscitado e assim nossa fé e nossa pregação se tornariam inúteis. Toda nossa esperança cristã se baseia na ressurreição de Cristo como um fato história inquestionável. Se houve dúvidas aqui, a igreja não tem razão de existir. Sem a esperança de uma nova vida, porque viver o evangelho? Para Paulo, sem a ressurreição de Cristo, além de não termos esperança para o futuro, temos outra consequência terrível:
  2. B.O testemunho cristão se tornaria falso. (15-17). Como seria difícil para o cristão falar da salvação em Cristo, se ele não tivesse ressuscitado. Mas pior ainda, os discípulos pregavam a ressurreição de Cristo, como sendo feito por Deus, e davam como provas o fato de que eles mesmos e outras 500 pessoas viram Jesus vivo, depois de seu sepultamento. Paulo já havia dito que muitos ainda viviam para confirmar a história. Mas dizer que Jesus não havia ressuscitado era dizer que o evangelho era uma falsidade, e que Deus e os apóstolos mentiam. Assim, uma terceira consequência aconteceria:
  3. C.A vida perderia o sentido para o cristão. (13-19). Se observarmos as palavras de Paulo, nos versículos 14,15,17, vemos que sem a ressurreição dos mortos: a nossa fé é inútil, a pregação é inútil (sem conteúdo), nossa experiência cristã é falsa e ainda estamos no pecado e condenados ao inferno, sem salvação.

                Todas estas consequências seguiam a vida dos cristãos em Corinto, mas também pode se tornar realidade se você também duvida da ressurreição dos mortos pelo poder de Deus.

                Os gregos só criam na imortalidade da alma. Para eles o corpo não ressuscitaria. Mas a Bíblia, por meio de Paulo, nos dá uma nova visão sobre nossa alma e nosso corpo. Ambos habitarão o céu. Em vários momentos, Paulo nos pede que valorizemos e preservemos o nosso corpo. Na sua teologia, é no corpo que glorificamos a Cristo e é com corpo que habitaremos o céu de forma definitiva. A nossa esperança em Cristo é maravilhosa.

                Sem ressurreição não seríamos salvos. Mas com ela, temos a garantia de vivermos para sempre com o Senhor. Mas, Paulo continua, nos apresentando outro ponto crucial para manter viva a nossa esperança:

  1. 2.A RESSURREIÇÃO É FUNDAMENTAL PARA NOSSA ESPERANÇA DE QUE DEUS CUMPRIRÁ OS SEUS PLANOS E PROPÓSITOS. (15.20-28).

20 Mas de fato Cristo ressuscitou dentre os mortos, sendo as primícias dentre aqueles que dormiram. Cl 1:18; 1Pe 1:3; Ap 1:5;

21 Visto que a morte veio por meio de um só homem, também a ressurreição dos mortos veio por meio de um só homem. Gn 2:17; Gn 3:6; Rm 5:12; Rm 5:18; Rm 6:23;

22 Pois da mesma forma como em Adão todos morrem, em Cristo todos serão vivificados.

23 Mas cada um por sua vez: Cristo, o primeiro; depois, quando ele vier, os que lhe pertencem.

24 Então virá o fim, quando ele entregar o Reino a Deus, o Pai, depois de ter destruído todo domínio, autoridade e poder. 1Co 2:6;

25 Pois é necessário que ele reine até que todos os seus inimigos sejam postos debaixo de seus pés. Sl 110:1; At 2:34; Ef 1:20; Cl 3:1; Hb 1:13; Hb 10:12;

26 O último inimigo a ser destruído é a morte.

27 Porque ele “tudo sujeitou debaixo de seus pés”. Ora, quando se diz que “tudo” lhe foi sujeito, fica claro que isso não inclui o próprio Deus, que tudo submeteu a Cristo. Sl 8:6; Mt 11:27; Mt 28:18; Ef 1:22; Hb 2:8;

28 Quando, porém, tudo lhe estiver sujeito, então o próprio Filho se sujeitará àquele que todas as coisas lhe sujeitou, a fim de que Deus seja tudo em todos.

Já no verso 20, Paulo afirma que a ressurreição é a garantia histórica da vitória de Deus sobre o mal. Na Bíblia, quando se falava de primícias, fala-se sempre dos primeiros frutos de uma colheita. Era só o início. A ideia é que havia muito mais para ser colhido. Aqui, Cristo foi as primícias, o início de tudo. Uma garantia que também nós seremos ressuscitados.

Isto porque, para Paulo, a ressurreição é a forma de Deus providencia levar a cabo o seu plano eterno (15.21-22). Se em Adão todos receberam como recompensa a morte, em Cristo, todos ganham uma nova vida.

Assim, Paulo mostra que a ressurreição é “as primícias da vitória divina em Cristo” (Carlos Oswaldo) (15.23-28). Toda a obra perfeita que o Senhor deseja fazer em nós ele começou em Cristo. A nova vida começa com Jesus (23). Dentro do plano eterno de Deus, o fim virá quando Cristo entregar seu reino (sua igreja) a Deus, isto depois de destruir todos seus inimigos. (25,26).

Ainda neste plano eterno, Deus enviou seu filho ao nosso mundo para que ele derrotasse o pecado, vencesse a morte e nos libertasse. Um dia esta obra estará completa, e Jesus nos apresentará a Deus Pai, como um povo novo, liberto, redimido.

Deus será glorificado acima de todas as coisas, por causa do que Jesus fez. Nós tomamos parte nesta obra de Jesus, uma vez que somos seu corpo neste mundo. Cabe a nós a tarefa de deixar Cristo viver e agir por nosso meio. Quem vive debaixo desta consciência de entrega e submissão, é quem vai morar com Jesus no céu, tendo esta convicção no coração hoje.

CONCLUSÃO:

                Nossa salvação e a certeza de que Deus cumprirá seu plano eterno, seus propósitos neste mundo é a ressurreição de Cristo, e a garantia de que todo aquele que nele crê também será ressuscitado.

                No dia de sua assunção ao céu, em Atos 1.11, lemos que os anjos disseram: “Galileus, por que vocês estão olhando para o céu? Este mesmo Jesus, que dentre vocês foi elevado ao céu, voltará da mesma forma como o viram subir”.  Essa promessa é prova de que Jesus já habita o céu com o corpo e nós também estaremos com ele e receberemos um corpo santo para isso.

                Neste mundo pecador, querem que você duvide da ressurreição de Jesus Cristo. Mas creia somente e experimente o poder de Cristo em sua vida. Deus nos abençoe.

Deixe seu comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *