1 Coríntios 11.2-16 – PRINCÍPIOS PARA O CULTO CRISTÃO

Texto: 1 Coríntios 11.2-16

2 Eu os elogio porque vocês sempre lembram de mim e seguem as instruções que eu passei para vocês.

3 Mas quero que entendam que Cristo tem autoridade sobre todo marido, que o marido tem autoridade sobre a esposa e que Deus tem autoridade sobre Cristo. Ef 5:23; Jo 14:28; 1Co 3:23; 1Co 15:27;

4 Se um homem cobre a cabeça quando ora ou anuncia a mensagem de Deus nas reuniões de adoração, ele está ofendendo a honra de Cristo.

5 E, se uma mulher não cobre a cabeça quando ora ou anuncia a mensagem de Deus nas reuniões de adoração, ela está ofendendo a honra do seu marido. Nesse caso, não há nenhuma diferença entre ela e a mulher que tem a cabeça rapada.

6 Se a mulher não cobre a cabeça, então é melhor que ela corte o cabelo de uma vez. Já que é vergonhoso para a mulher rapar a cabeça ou cortar o cabelo, então ela deve cobrir a cabeça. Nm 5:18; Dt 22:5;

7 O homem não precisa cobrir a cabeça, pois ele reflete a imagem e a glória de Deus. Mas a mulher reflete a glória do homem, Gn 1:26-27; Gn 5:1; Gn 9:6; Cl 3:10;

8 pois o homem não foi feito da mulher, mas a mulher foi feita do homem. Gn 2:18; Gn 2:21;

9 O homem não foi criado por causa da mulher, mas sim a mulher por causa do homem.

10 Portanto, por causa dos anjos, a mulher deve pôr um véu na cabeça para mostrar que está debaixo da autoridade do marido.

11 No entanto, por estarmos unidos com o Senhor, nem a mulher é independente do homem, nem o homem é independente da mulher.

12 Porque assim como a mulher foi feita do homem, assim também o homem nasce da mulher. E tudo vem de Deus.

13 Julguem vocês mesmos: será que é certo que, num culto de adoração, a mulher ore a Deus sem estar com a cabeça coberta?

14 Pois a própria natureza ensina que o cabelo comprido é uma desonra para o homem,

15 mas para a mulher o cabelo comprido é motivo de orgulho. O cabelo foi dado a ela para lhe servir de véu.

16 Mas, se alguém quer discutir sobre esse assunto, o que eu posso dizer é que nem nós nem as igrejas de Deus temos outro costume nas reuniões de adoração. 1Tm 6:4;

GRANDE IDEIA: Submissão, respeito e dedicação a Cristo são princípios necessários aos cultos de adoração.

INTRODUÇÃO:

                O final do capítulo 10 foi marcado pela ideia de fazer tudo para glória de Jesus Cristo. Ele é o alvo de todo cristão. Ser como ele é o motivo de nossa existência, conforme lemos em Rm 8.29. Quando isto se torna verdade nos corações dos cristãos, a tendência é que nossos cultos sejam momentos únicos de expressão do nosso louvor e adoração.

                Mas isto não acontecia na igreja de Corinto. Cristo não era ainda tudo em todos. A maioria não vivia para a glória de Jesus, mas para a sua própria glória. O resultado é que o culto no templo havia se tornado dispensável, pois não cumpria seu objetivo de exaltar a Deus, glorificar a Cristo e conduzir pessoas a um encontro com o Senhor.

                Sem dúvida alguma este é um texto muito difícil de lidar. Entre as questões relacionadas nesta passagem, ficará sempre a dúvida se devemos encarar como questão cultural ou não. Como dizia Pastor Benjamim Hope, missionário norte-americano que residia no Tocantins, “o que eu não entendo eu não prego”. Ainda assim, o texto nos apresenta 3 princípios importantes para o culto no templo, sobre eles vamos meditar um pouco.

  1. 1.SUBMISSÃO VOLUNTÁRIA É IMPORTANTE NO CULTO A DEUS.

2 Eu os elogio porque vocês sempre lembram de mim e seguem as instruções que eu passei para vocês.

3 Mas quero que entendam que Cristo tem autoridade sobre todo marido, que o marido tem autoridade sobre a esposa e que Deus tem autoridade sobre Cristo. Ef 5:23; Jo 14:28; 1Co 3:23; 1Co 15:27;

                Não podemos falar destes versos sem nos lembrar do que Paulo veio falando no final do capítulo 10. Ali ele afirmou que devemos fazer e dizer coisas que glorifiquem e honrem o nome de Jesus Cristo. Ele é, em tudo na nossa vida, e principalmente nas nossas ações no ambiente de Culto, a motivação correta para tudo. Ou seja, tudo que fazemos no culto ou fora dele deve ser para glorifica-lo, honrá-lo e tornar Cristo conhecido.

                Paulo então entra no verso primeiro elogiando a lembrança que os coríntios tinham dele e a disposição em seguir suas instruções. Isto é interessante, pois o assunto que ele vai tratar, não estava sendo praticado no culto, embora o apóstolo, provavelmente já o tivesse ensinado. Mas essa massagem no ego servia de introdução para tratar um dos problemas polêmicos daquela igreja e que, provavelmente, estava ajudando a causar divisão. Era como se dissesse: Já que vocês sempre seguem o que eu digo, façam isso agora neste assunto também.

                No verso 2, Paulo nos apresenta três relações de autoridade e de submissão. Mulher e Homem; Homem e Cristo; Cristo e Deus. As três relações são importantes para a manutenção da vida, da família e da igreja. Mas é preciso estar disposto, muitas vezes, a colocar a vontade de Deus acima da vontade humana, ou da vontade social e cultural.

                Não posso, nem tenho interesse em tomar decisões pelos outros neste assunto. Mas vamos a ele.

Paulo defende a submissão da mulher ao seu marido na mesma medida em que o homem (marido) deve estar submisso a Cristo, assim como Jesus é submisso a Deus Pai. Para o apóstolo, não se pode questionar a submissão de Cristo ao Pai. Ele escreveu sobre isso, por exemplo, em Filipenses 2.5-8. Dizendo que a submissão de Jesus foi tanta que ele aceitou a morte como forma de obediência voluntária ao Pai, a fim de que os propósitos eternos de Deus fossem realizados.

Cristo estava na condição de Deus quando ainda habitava no céu. Mas, aceitou voluntariamente submeter-se e foi obediente até à morte. Sua submissão não o tornou menor que Deus. Ele não deixou de ser Deus. Mas, mesmo assim, aceitou submeter-se. Quando duas pessoas estão no mesmo nível, ocorre a submissão voluntária. Ou seja, uma escolhe submeter-se à outra, para que todo propósito se cumpra. Cristo fez isso. Paulo nos convida a fazer igual, dizendo que o homem deve voluntariamente submeter-se ao Cristo, como ele fez. Assim, Paulo não está diminuindo a mulher, mas afirmando que ela é igual ao homem como criatura de Deus, mas por um questão de ordem das coisas, deve voluntariamente submeter-se ao seu marido, para que se cumpra os propósitos eternos de Deus neste mundo.

                Ser cabeça ou ter autoridade, não significa que quem se submeteu deixou de ser importante, mas que juntos realizam a obra completa de glorificação do Senhor, tão necessária e comentada no final do capítulo 10.

                Deus espera que você e eu tenhamos em mente o princípio da submissão voluntária. A disposição em ser servo. Para que a sua obra seja realizada sem prejuízos. Você está disposto a submeter-se para a glória de Jesus?

  1. 2.RESPEITO A QUEM ESCOLHEMOS NOS SUBMETER É IMPORTANTE NO CULTO A DEUS.

4 Se um homem cobre a cabeça quando ora ou anuncia a mensagem de Deus nas reuniões de adoração, ele está ofendendo a honra de Cristo.

5 E, se uma mulher não cobre a cabeça quando ora ou anuncia a mensagem de Deus nas reuniões de adoração, ela está ofendendo a honra do seu marido. Nesse caso, não há nenhuma diferença entre ela e a mulher que tem a cabeça rapada.

6 Se a mulher não cobre a cabeça, então é melhor que ela corte o cabelo de uma vez. Já que é vergonhoso para a mulher rapar a cabeça ou cortar o cabelo, então ela deve cobrir a cabeça. Nm 5:18; Dt 22:5;

7 O homem não precisa cobrir a cabeça, pois ele reflete a imagem e a glória de Deus. Mas a mulher reflete a glória do homem, Gn 1:26-27; Gn 5:1; Gn 9:6; Cl 3:10;

8 pois o homem não foi feito da mulher, mas a mulher foi feita do homem. Gn 2:18; Gn 2:21;

9 O homem não foi criado por causa da mulher, mas sim a mulher por causa do homem.

10 Portanto, por causa dos anjos, a mulher deve pôr um véu na cabeça para mostrar que está debaixo da autoridade do marido.

                        Confesso que esta é uma porção bíblica difícil. E que, de certa forma, não quero me ater à sua polêmica. Mas vamos seguindo o que o texto afirma e que Deus nos ajude a tomar decisões conforme sua vontade.

                Devemos observar que o culto público está na questão. E não o casamento. A submissão voluntária da mulher ao seu marido, conforme Paulo, trata-se de um ato de culto e obediência a Deus. O argumento de Paulo é que o homem foi criado primeiro e foi criado à imagem e semelhança de Deus, que lhe deu autoridade ou responsabilidade sobre todas as coisas criadas. Se um homem não cumpre o seu papel no cuidado das coisas, ele desonra a Cristo, pois lhe desobedece. Assim, ele não deve cobrir a cabeça (v.7 – conf. Gn. 1.26,27), pois ele precisa refletir esta glória que Deus lhe concedeu.

                Paulo continua afirmando que no caso da mulher, esta reflete a glória do homem (v.7). A ordem da criação é chamada à pauta (conf.v.8,9). Mas talvez você pergunte, se o homem reflete a glória de Deus e não se cobre, porque a mulher reflete a glória do homem e tem que colocar véu? Na primeira instância eu diria para você – não sei! Mas sei que você não ficaria satisfeito. Então, tentarei expor o que penso, e esse é um risco.

                Em Número 5.18, lemos que quando uma mulher fosse infiel ao seu marido, ela deveria ser levada ao sacerdote e este soltaria (o original pode significar liberar, desatar ou deixar ir) seus cabelos. Assim, pode ser entendido como rapado. Ou seja, neste caso, a mulher com a cabeça rapada, seria vista como uma adúltera, o que traria desonra para o seu marido, principalmente, no culto. No verso 5, Paulo diz que se ela não se cobra, ou seja, não respeita a honra de seu marido, e como se fosse a mulher de cabeça rapada, ou seja, mulher adúltera. Então se vai deixar solto, rape-o. Noutras palavras, já que vai desonrar mesmo, faça o serviço completo, ou seja, mostre que você é uma adultera. Como isto é algo vergonhoso, tanto pelas consequências morais, quanto pela estética, ele sugere – faça do jeito de Deus. Cubra-se.

                Para Paulo, o uso do véu era para mostrar que está submissa ao seu marido. No versículo 10, ele afirma que é por causa dos anjos é interessante. Estes seres vivem na presença de Deus e são submissos por natureza. Em Salmo 8.4,5; lemos que os homens foram feitos pouco menores que os anjos. Assim, se os anjos são maiores que nós (em poder talvez) e são submissos a Deus, quão desonroso é uma mulher desrespeitar seu marido, não demonstrando sua submissão ou desrespeitando sua autoridade no culto.

                Assim, este princípio nos leva a pensar no respeito à autoridade de Deus acima de tudo, de Cristo, e no caso da mulher, respeito à autoridade de seu marido, a quem, voluntariamente, você decidiu submeter-se quando se casou com ele.

                Uma prova disto é que você aceitou o sobrenome dele no seu nome. Para mostrar que você é dele.

                Mas lembre-se, acima dos homens está Jesus. Faça para glória dele.

  1. 3.DEDICAÇÃO A CRISTO É IMPORTANTE NO CULTO A DEUS.

11 No entanto, por estarmos unidos com o Senhor, nem a mulher é independente do homem, nem o homem é independente da mulher.

12 Porque assim como a mulher foi feita do homem, assim também o homem nasce da mulher. E tudo vem de Deus.

13 Julguem vocês mesmos: será que é certo que, num culto de adoração, a mulher ore a Deus sem estar com a cabeça coberta?

14 Pois a própria natureza ensina que o cabelo comprido é uma desonra para o homem,

15 mas para a mulher o cabelo comprido é motivo de orgulho. O cabelo foi dado a ela para lhe servir de véu.

16 Mas, se alguém quer discutir sobre esse assunto, o que eu posso dizer é que nem nós nem as igrejas de Deus temos outro costume nas reuniões de adoração. 1Tm 6:4;

                Paulo fecha sua compreensão deste assunto dizendo que a submissão e respeito no culto são importantes, porque tudo é para Jesus. Assim ele começa a explicar que, de fato, homem e mulher não são independentes, já que se uniram em Cristo. No verso 12, ele afirma que tudo vem de Deus. Somos iguais. Seguir as orientações do apostolo era uma questão de pensar na vontade de Deus. Seu objetivo não era tornar a mulher inferior, mas demonstrar que se Cristo domina o coração de um homem, ele saberá honrar a Cristo, amando e cuidando de sua esposa. E esta, se Cristo também domina seu coração, viverá de modo que dê honra a seu marido. Assim, a família estará preservada, e deixaremos claro que Cristo pode abençoar nosso lar. Esta verdade, expressada também no ambiente de culto, impactará pessoas cujas famílias estão destroçadas pelo pecado e o resultado é glória para Jesus, pois as pessoas desejarão Cristo em suas vidas e famílias.

                Paulo chama aos coríntios para que analisassem a situação à luz da Palavra explicada. Se era vergonhoso na cultura deles um homem estar com cabelo comprido, também era uma mulher de cabelos curtos ou sem cabelos na cabeça num ambiente de culto.

                Além disso, havia na cidade de corinto uma prática comum dos que seguiam a religião grega da Deusa Afrodite – a deusa do sexo. Barclay informa que os adeptos daquela deusa, se ofereciam durante uma semana como prostitutos cultuais. Assim, homens e mulheres, eram usados sexualmente no templo de Afrodite ou Diana dos Efésios. As mulheres que se ofereciam à deusa, rapavam a cabeça durante o cumprimento daquele ritual. Paulo parece ter isso em mente, dizendo às mulheres de corinto que elas deviam honrar seus maridos e seu Deus, não se parecendo com prostitutas ou adúlteras, mas dando um bom testemunho para todos.

                Enfim, Paulo encerra dizendo: Esta não é o nosso costume, nem o das igrejas de Deus no momento de culto. Não façam polêmicas, mas sejam submissos a Cristo.

CONCLUSÃO:

                Os três princípios que extraímos servem para nós ainda hoje. Submissão voluntária, respeito a Cristo e ao marido e dedicação a Cristo são princípios necessários aos cultos de adoração.

                Qualquer ação de sua parte no ambiente de culto deve ser para glória de Deus. Por isso é que pedimos que as pessoas prestem atenção no cultos, não conversem nada que não traga edificação e nos aproxime mais do Senhor. Nem ofereçamos nada neste ambiente se Cristo não for o alvo, ou não for glorificado.

                Deus nos abençoe e nos ajude a viver sua palavra. Amém.

Deixe seu comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *